Programa "Gente do MPD que Fala" aborda temas cruciais da Saúde

29/04/2019
Incentivo a planos de saúde que oferecerem linhas de prevenção aos clientes e o novo Código de Ética Médica foram destaque
 

      O programa “Gente do MPD que Fala” de 4 de abril teve o apoio do Instituto Ética Saúde. O vice-presidente do Instituto Brasileiro das Organizações Sociais de Saúde (Ibross), Nacime Mansur, foi o convidado pelo IES. Também representou o Instituto a secretária executiva, Cibele Martins. 
 
      Quando questionado sobre o incentivo que a Agência Nacional de Saúde quer oferecer aos planos de saúde para terem linhas de prevenção, Mansur afirmou que “a atenção básica é a porta de entrada do sistema de saúde e vem sendo implantado muito lentamente no Brasil”. Segundo ele, 50% do risco de morte de um indivíduo está ligado a estilo de vida e outros 20% ao ambiente onde ele vive. “Infelizmente, no Brasil, o saneamento básico ainda é uma tragédia”, complementou. 
 
      Para o vice-presidente do Ibross, é preciso dirigir recursos para atenção básica. “70% do recurso da saúde são gastos com hospital e laboratório. Precisamos fazer com que os municípios sejam de fato responsáveis pela atenção básica. Se não investirmos nesta prevenção, na educação da população, das patologias crônicas que não são transmissíveis, nós vamos continuar tratando da doença. Com as consequências de não tratar adequadamente e do impacto financeiro”, finalizou.
 
      A secretária executiva do IES sugeriu incentivos que podem ajudar a educar a população. “Nos EUA, plano de saúde dá desconto de acordo com o estilo de vida do usuário, uma fórmula que poderia ser estudada e implementada aqui”, destacou Cibele. 
 
      No dia 25 de abril, o convidado do Instituto Ética Saúde foi o sócio da consultoria da Deloitte para a área da saúde e mercado de capitais, Gustavo Lucena. A Deloitte participa do Programa QualIES, do IES. Na área da saúde, o tema de destaque foi o Novo Código de Ética Médica, que entrou em vigor no dia 30, composto por 26 princípios listados como fundamentais para o exercício da medicina. “A principal mudança é na autonomia do paciente, que pode falar se quer ou não um determinado tratamento. E o médico passa a poder se negar a trabalhar em um lugar com condições precárias”, detalhou Lucena.  
 
A íntegra dos programas estão em:
e
 
O “Gente que Fala” vai ao ar toda quinta-feira, na TV Aberta (canal 9 da NET, canais 8 e 186 da Vivo), na TV Guarulhos, na rádio Trianon AM 740, e na rádio Universal AM 810 na baixada Santista, além da transmissão ao vivo pela internet.
 

Galeria de Fotos