Representantes do Ética Saúde proferem palestras em Fórum de Defesa Profissional de sociedades de especialidades

02/03/2016

"A criação do Instituto permitiu que o mercado pudesse sair do campo das denúncias e passasse para a ação", lembrou Claudia Scarpim

O Instituto Ética Saúde - Acordo Setorial Importadores, Distribuidores e Fabricantes de Dispositivos Médicos - participou do 16° Congresso de Cirurgia Espinhal - Fórum de Defesa Profissional, promovido pelas Sociedades Brasileiras de Neurocirurgia (SBN), Ortopedia e Traumatologia (SBOT) e Coluna (SBC) e Sociedade de Neurocirurgia do Estado de São Paulo (Sonesp). O evento foi realizado, em 2 de março, no Hotel Maksoud Plaza, em São Paulo.


O presidente do Instituto Ética Saúde, Gláucio Pegurin Libório, e a diretora-executiva da entidade, Claudia Scarpim, foram palestrantes da mesa que debateu o Compliance nas Sociedades Médicas. Discutiram amplamente o tema com os representantes do Ética Saúde, o vice-presidente da SBC, Aluísio Arantes, o diretor de Defesa Profissional da SBOT, Carlos Alfredo Lobo Jasmin, e o advogado Giovani Saavedra. A moderação foi do representante da Sonesp, Emilio Fontoura.. A diretora-executiva do Ética Saúde destacou que a iniciativa da criação do Instituto permitiu que o mercado pudesse sair do campo das denúncias sem fundamento e passasse para a ação. Claudia Scarpim lembrou que o momento é de expurgar quem ainda faz práticas que corrompem e envergonham o setor de saúde. A diretora-executiva contou que o Instituto nasceu como um projeto da Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes - ABRAIDI, mas cresceu e se tornou muito mais amplo envolvendo os fabricantes nacionais (ABIMO), os importadores (ABIMED) e, em breve, entidades representativas dos hospitais devem integrar o Ética Saúde, como a ANAHP. "Aguardamos também os representantes dos médicos e das operadoras para termos no Instituto todos os participantes deste segmento". Claudia Scarpim explanou sobre o funcionamento do Canal de Denúncias do Ética Saúde, que é um instrumento essencial para punir quem desrespeitar as regras de Compliance. "Precisamos restabelecer essas práticas sem temor. O que está errado deve ser denunciado", completou. Ela apresentou as 241 denúncias recebidas pelo Canal, que totalizam 424 denunciados em menos de um ano. Informou as formas e meios para que as denúncias sejam apresentadas, todas detalhadas no www.eticasaude.com.br . "Ainda temos um caminho longo para percorrer com a mudança de paradigma. As práticas de suborno e corrupção precisam acabar de forma definitiva. O setor tem que buscar o fortalecimento e a adoção de princípios éticos para restabelecer a sua reputação", completou o presidente do Instituto Ética Saúde, Gláucio Pegurin, Libório. Mais informações para a imprensa: DOC Press (11) 5533-8781

Galeria de Fotos